Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

F

O Brasil é repleto de áreas verdes, parques naturais e espaços preservados. Além da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, no país existem outros patrimônios de extrema beleza. Dois dos principais destaques são o Pantanal e a Chapada dos Guimarães, localizados no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Estas duas obras da natureza são a porta de entrada para o turista que deseja conhecer mais estes estados. Porém, ao visitar a região, você perceberá que existem outras coisas para ver e conhecer. Embarque nesta aventura e surpreenda-se com cidades e áreas ricas em cultura, história e biodiversidade.

Pantanal

Que tal sair um pouco da rotina, esquecer o barulho dos carros e a correria das grandes cidades? O Pantanal é o lugar ideal para você fazer isso.

A maior planície alagável do mundo é um santuário ecológico que merece ser contemplado. Aqui você verá milhares de animais selvagens em seu habitat natural, observará um pôr-do-sol multicolorido em horizonte aberto e ouvirá os grasnados e piados dos pássaros do amanhecer ao anoitecer.

Ao chegar no Pantanal, o turista descobre que está em um lugar único do mundo. Além da natureza imponente e exuberante, quem passar por aqui verá milhares de cabeças de gado que são guiadas por hábeis peões. Já em relação à estadia, existem diversos hotéis-fazenda aconchegantes e convidativos.

Uma das principais atrações da região são os safaris fotográficos. A bordo de um carro 4×4 ou em barcos, você poderá apreciar (e fotografar) uma infinidade de animais. Apenas aves, são mais de 650 espécies catálogadas que incluem tuiuiús, tucanos e araras-azuis. Durante estes passeios, seja pela mata ou pelos rios, você irá cruzar com outros bichos, como capivaras, antas, tamanduás-bandeira, cervos e macacos-pregos. Com sorte, será possível ver onças-pintadas. Já os jacarés, são tantos que até fazem parte da paisagem e, depois que deixam de ser novidade, já nem chamam a atenção.

Chapada dos Guimarães

Conhecido pelos paredões de arenito vermelho-alaranjado, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães já foi um destino selvagem, reservado apenas aos aventureiros. Hoje não é mais assim. O local é democrático e oferece atividades para toda a família.

A região da Chapada possui ótima infraestrutura e promete agradar todos os gostos e bolsos. Há hotéis, pousadas e campings, além de ótimos restaurantes tanto no município de mesmo nome quanto nos arredores.

Por questões de segurança, a presença de um guia para percorrer as trilhas do parque é obrigatória. Guarde seu fôlego para visitar a Cachoeira Véu de Noiva, famosa pela queda de quase 90 metros. Se o seu preparo físico está dos melhores, você pode aproveitar o Circuito das Cachoeiras e a Cachoeira da Martinha.

Quem passar por aqui, deve conhecer a Casa de Pedra, uma caverna esculpida pelo Rio Sete de Setembro que não é só um ponto turístico, mas uma verdadeira aula de geologia. Já para os aventureiros, a dica é enfrentar o Morro de São Jerônimo, um pico de 836m de altura que só é alcançado após 4hs de caminhada.

A Chapada dos Guimarães é tão grande e tão bela que existem dezenas de atrações. Se puder, visite o Morro dos Ventos, o Portão do Inferno e o Mirante do Centro Geodésico. Destes locais, é possível apreciar toda a planície pantaneira. Outros locais que merecem ser visitados é a Cachoeira dos Amores e a Cachoeira dos Namorados, esta possui uma queda de 15m e uma piscina natural que lembra as formas de um coração.

Cuiabá

A capital do Mato Grosso é a principal porta de entrada para quem deseja ir à Chapada dos Guimarães e ao Pantanal. Porém a cidade é muito mais do que isso. Fundada em 1719, Cuiabá possui um importante patrimônio histórico e cultural.

Do barroco ao neogótico, o Centro Histórico de Cuiabá é um convite para conhecer os estilos arquitetônicos do passado. Construída sobre minas de ouro, os casarões da cidade foram erguidos no século XVIII e remanescem até hoje. Suas ruas estreitas e sinuosas são verdadeiros labirintos. Esta é uma das heranças dos colonizadores que fizeram a cidade assim para despistar os aventureiros atraídos pela fartura das minas auríferas.

Fora do Centro Histórico, não deixe de passar pelo Centro Geodésico da América do Sul, um local demarcado em 1909 que já foi palco de enforcamentos e campo de touradas; o Arsenal de Guerra, construído em 1818 para ser um estabelecimento militar cuja finalidade era fabricar e consertar armas e a Casa do Artesão, um museu de artesanato que mostra um pouco da cultura do estado.

Se você gosta de turismo religioso, vá à Catedral Metropolitana, inaugurada em 1973 e erguida sobre os escombros da construção antiga. Outro bom passeio é ia à Igreja do Bom Despacho, uma construção gótica que lembra a Catedral de Notre Dame.

Antes de se aventurar no Pantanal e Chapada dos Guimarães, vale a pena conhecer um pouco mais da fauna e flora local nos quatro principais parques da cidade: o Parque Estadual Mãe Bonifácia, o Massairo Okamura, o Zé Bolo Flô e o Zoológico.

Campo Grande

A capital do Mato Grosso do Sul é relativamente nova e foi fundada em 1899 por colonizadores mineiros que vieram aproveitar os campos de pastagens e as águas cristalinas da região. A cidade inteira foi planejada em meio à uma grande área verde e possui largas avenidas com ruas arborizadas e diversos jardins. Até hoje ela possui forte relação com seu passado indígena e com suas raízes históricas.

Devido à sua proximidade com o Pantanal, a cidade possui diversos parques e bosques. Não deixe de caminhar em um (ou vários deles). No Parque Cônsul Assaf Trad, por exemplo, você verá 3 lagos, trilhas, playgrounds e um anfiteatro. Já no Parque Estadual Mata do Segredo, o visitante poderá aprender mais sobre a natureza da região nos mais de 177 hectares de sua extensão. O Parque das Nações Indíginas é considerado o maior parque urbano do mundo com uma extensão de 119 hectares. O local oferece uma estrutura completa para esporte e lazer, com pista de cooper, quadras esportivas, pistas de skates e patins e um grande espaço destinado à shows e apresentações.

Para o curte o turismo de aventura, vale a pena dar um pulo no Inferninho, um local com várias cachoeiras que é frequentado por pessoas que gostam de esportes radicais como rapel, trilha e escalada. Outra dica é conhecer o Lago do Amor e a Lagoa Itatiaia.

Campo Grande também possui belos monumentos como o Obelisco, o Relógio Central e os Monumentos do Índio e do Carro de Boi. Visite também o Memorial da Cultura Indígena, situado na única aldeia urbana do país. Sua arquitetura é construída de bambu e palha de sapê.

Se você é do tipo de turista que não dispensa as compras e lembranças, vale a pena dar um pulo no Camelódromo, um local que comercializa produtos nacionais e importados. Outra boa dica é ir no Mercado Municipal de Campo Grande.

Galeria de Imagens

Solicite Seu Orçamento